Dramaturgia (enfia no blog da tua mãe)

O comentarista sem assunto não é um defunto. Ao contrário, zela por sua escassez como se fosse ele próprio o (foda-se) vazio que deveras severas contém. O que em si só sus e enormemente já bastaria dever como bastião sagrado do prazer em pólen de suas polêmicas, mas, não: suas poleminhocas, tuas polemelecas, nuas polemicadas, estão para todo o nunca assim confinadas enfadonhas nas fronhas confiadas de maneira que nem mesmo a metafísica se meterá em seu físico. Hip hop ufa!

Vamos então ao que não interessa. O comentarista sem assunto não é um único moribundo nem olhe lá, Oxalá! Não está nauseabundo como um marinheiro adunco de um livro-filme sem escalas. Nem frequenta a quimbanda. Está, por assim dizer, deixe-me ver, como quem bebe uma fanta. Pronto. Entendeu-se?

Vamos ao que estressa. O comentarista sem assunto é na verdade verdadeira da mentira derradeira um artista. É só dar na vidinha da vista adventista que la estalará: a obra completa de sua dieta. Não fala por falta de phalo ou ausência de fi-lo. Cala-se pois ainda não encontrou tema que lhe valesse a trema – mesmo que esta já nada valha a navalha, e, primordialmente, a esmo que Kafka já o tenha malcriado e melhor vestido.

Em resumo, em nome de nada deixem o comentartista sem assunto tonto astuto em paz em sua eterna sagaz escada. Pois não sobe nem desce e se não cai, não amortece. Ostenta o nome como um título bramido sem memoriabilia monorca, a orca listrada amestrada amedrontada de amêndoas manhosas rosas. E esta bela bosta balé basta: é um comentarista e ponto odontológico, é claro raro ralo. Um comerciante do som distante de um tamanco na vitela da vazia viela sob nó noturno. Ou mesmo o som imundo dum coturno dê dia. Mesmo que seu único comentário seja feito pelos outros e assim escreva-se “Espanto”.

Anúncios

4 Respostas para “Dramaturgia (enfia no blog da tua mãe)

  1. Michel, parabéns! Você é um mestre com as palavras, brinca com elas como se fossem pequenas criaturas moldadas à sua intenção. De verdade, seus textos tem alma, é ótimo lê-los. Alias, é lindo ver um artista tão completo que faz tanto e sempre tentando colocar algo de bom no mundo.Parabéns! Ah, a peça Adeus A Carne vai vir para São Paulo? Estou morrendo de vontade de ver!
    Obrigada! Grande beijo!

  2. Afetado pela parte que me compete a competência de mestre em comentários sem assunto, hoje, transfigurado em astuto, deixarei que trave só o seu monólogo de teclado; ficarei observando à distância; fingirei que aqui não estou… Jamais seremos irmãos de sangue mesmo Sei que quando se exaspera não é pela aspereza da superfície da carne, mas sim pela rugosidade tissular da alma mesquinha alheia Mas tome pra si o lado bom que há em tudo; e descanse um pouco; enquanto houver injustiça e o açougue da esquina, estará inquieto E inquieto, se moverá arte, viverá arte, falará arte, pensará arte, manifestará arte, e, conformado, venderá arte pra comprar comida no açougue da esquina Melamedson com a Padre Anchoveta

  3. o comentarista não é um ator defunto nem um defunto ator…falou e disse tudo!

  4. http://conspurcario.wordpress.com

    há sempre muita vida em tuas escritas. em tuas obras…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s